Mar Morto – Jordânia

O Mar Morto é um lago alimentado pelo rio Jordão e banha a Jordânia, Cisjordânia e Israel. Ganhou esse nome pela ausência de vida, a não ser por algumas bactérias e algas, em suas águas. Tudo se explica pela alta concentração de sal (34,7%) neste lago, sendo  quase 10 vezes mais concentrado que a água dos oceanos e o sexto corpo de água mais salgado do mundo. Sendo assim a maior atração ao visita-lo, é  o fato de ser impossível afundar. Apesar de não ser o mais salgado, o dead sea é o maior desnível negativo do mundo, chegando a 427 metros abaixo do nível do mar, e também o lago salgado mais profundo do mundo, superando 300 metros de profundidade em certos pontos.

Rio Jordão próximo ao local de batismo de Jesus

Se flutuar não é suficiente para você, o Mar Morto também é um local histórico no oriente médio, sendo citado diversas vezes na bíblia. Outro motivo para ir até lá o quanto antes, é o que ele está diminuindo. Nos últimos 60 anos ele diminuiu 35% e muitos geólogos acreditam que ele vá sumir em algumas dezenas de anos.

Afundar é impossivel

Para visitar o lago você pode ir pelo lado israelense ou pelo lado jordaniano, já vamos adiantar que não existe um aeroporto realmente perto do mar. As cidades grandes mais próximas são Jerusalém e Amã. Nossa opção foi ir pelo lado da Jordânia pois alugamos um carro para ir de Amã até Petra e na volta voltamos pela costa do Mar morto. Se você não tiver de carro, existem opções partindo de Amã: ônibus, táxis, transfers do hotel e passeios guiados. 

Mar Morto

A melhor época para visitar o Mar Morto, depende da sua preferência. Sendo uma região desértica os dias são quentes e as noites mais frias. Durante o inverno no mês de janeiro a temperatura a noite pode chegar a 0°. No verão entre junho e agosto a noite é amena na faixa de 20° Celsius porém os dias são muito quentes chegando facilmente na faixa dos 35°. Chuvas são uma raridade o ano todo.

Acesso ao Mar Morto dentro de um resort

Visitar o lago mais profundo do mundo por um dia não é tão fácil quanto pode parecer, você tem três opções: praia pública gratuita, praia pública paga ou um resort. Praias públicas podem ser mais vazias e são “gratuitas”, porém a infraestrutura é precária e mulheres devem estar adequadamente (para os padrões mulçumanos) vestidas. Vale lembrar que o gratuito pode não ser tão gratuito assim, pois é comum pessoas cobrarem por aluguel de cadeiras ou mesmo  por uma sombra que você achar. 

O conforto de um Resort pode custar caro

Uma opção intermediária é a Amman Beach, pagando 20 Dinares (cerca de 120 reais), você conta com espreguiçadeiras, guarda-sol, ducha de água doce, vestiário, piscinas, bar e algumas lojinhas. Nessa praia os turistas na sua maioria são do próprio país, e não são nem um pouco discretos quando estão olhando para turistas estrangeiros, principalmente mulheres. Outra desvantagem é o fato desse local ser um dos mais cheios de toda a costa do Mar Morto.

Piscina com vista para o Mar Morto

A melhor opção, entretanto também a mais cara, é passar um dia em um resort. Existem vários, Crowne Plaza, Marriot, Mövenpick, Hilton entre outros. Escolhemos o Mövenpick por nos parecer o melhor custo benefício.  Pagamos 55 dinares (pouco mais de 300 reais), sendo que 15 foram revertidos em consumação. Apesar do preço um tanto quanto alto, pode valer muito a pena. Você estará dentro de um Resort cinco estrelas e terá acesso ao vestiário com banheiros, poderá usar as piscinas, terá acesso ao Mar Morto e  poderá usar a famosa lama medicinal para passar no corpo. Não esqueça que não é recomendado que se fique mais do que 20 minutos na água salgada. Existem vários bares no resort, o preço da comida e bebidas são tão salgados quanto a água do Mar Morto, mas a qualidade é boa. A equipe do Hotel também é bem simpática, o que não é essencialmente uma regra nessa região do mundo.

Igreja ortodoxa próximo ao local de batismo de Jesus

Depois de sanada a vontade de conhecer o dead sea, seguimos viagem ao norte em direção a Amã. Existem paradas quase obrigatórias, a primeira delas é no Rio Jordão, no local onde Jesus foi batizado. Chegando ao local você deve comprar ingresso para o próximo tour (só é permitida a entrada com um guia) que sai de hora em hora. Depois de percorrer um trecho de ônibus, existe um percurso para ser percorrido a pé, com um pouco mais de um quilômetro. Se for nos meses mais quentes como nós fomos, não esqueça de levar água pois o calor é absurdo.

Aqui Jesus foi batizado

O exato local do Batismo de Jesus não é mais banhado pelo Rio Jordão, mas não perde nem um pouco da sua importância e é um local sagrado para a Igreja Católica. Provavelmente um dos lugares religiosos mais emocionantes que já fomos. O Rio Jordão faz divisa entre Israel e Jordânia, apesar de os países viverem em paz, é um pouco estranho ver soldados armados de ambos os lados mas em maior número do lado israelense, que tem um volume maior de turistas do que o lado jordano, a vantagem do outro lado é poder banhar-se no rio.

Vista do Monte Nebo

O próximo ponto histórico e religioso a se visitar é o Monte Nebo, local onde Moisés supostamente avistou a terra prometida. Em dias com boa visibilidade é possível avistar Jerusalém. No Monte fica a Basílica de Moisés, onde os cristãos acreditam que o mesmo foi enterrado. Se tiver tempo visite também Madaba a cidade dos mosaicos, não conseguimos visitar porque o horário do nosso voo saindo de Amã estava próximo.

Basílica de Moisés

Dirigir na Jordânia é bem tranquilo, apesar de passarmos por muitos vilarejos que pareciam um tanto quando abandonados e alguns que lembravam filmes de guerra, não tivemos nenhuma situação de perigo pois o país é seguro. Apesar das estradas que levam a Amã serem boas, algumas rodovias menores podem ser mais malcuidadas. Outro ponto importante é que os nativos dirigem muito mal, você será obrigado a praticar direção defensiva.

Mosaico na Igreja de Moisés

A Jordânia com a sua cultura mulçumana ainda é um país muito machista. Os nativos, mesmo mulheres, são muito inconvenientes (um tanto quanto mal-educados) e não vão parar de olhar para você se estiver de biquíni, mesmo nos resorts. Se você se incomoda com isso é melhor usar shorts para entrar na água ou até mesmo camiseta. Apesar de nem tudo ser perfeito, visitar o Mar Morto é uma bela experiência. Juntando os pontos históricos próximos ao Rio Jordão, se torna uma viagem inesquecível. 

Dirigindo no interior da Jordânia

Extras:

– Dizem que o lado da Jordânia é o mais bonito do Mar Morto, mais um motivo para escolher esse lado durante a sua visita.

– Quando for entrar na água vale lembrar que é praticamente impossível ficar de pé, sua perna será jogada para cima. Outro ponto é cuidar com o contato da água com os olhos, pela sua salinidade a ardência é quase insuportável. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.