Chichén Itzá – México

Chichén Itzá foi eleita uma das 7 novas maravilhas do mundo, o que torna o passeio até lá obrigatório para quem vai a Cancun. Essa maravilha está localizada no estado de Yucatán (na península de Yucatan), a aproximadamente 80 km da costa caribenha e a pouco mais de 200 km da zona hoteleira de Cancun. Durante o seu auge, Chichén Itzá foi uma das maiores cidades Maias, com 5 quilômetros quadrados, sendo centro político e econômico da Civilização Maia, até o século 13 d.C.

Pirâmide de Kukulcán – maior atração de Chichén Itzá

Você pode escolher entre 3 diferentes formas para ir até o sítio arqueológico: de carro, com ônibus de linha ou com tour guiado (excursão). De carro a vantagem seria o tempo, pois em torno de duas horas e meia da zona hoteleira de Cancun você chega, mas leve em conta que carro não é muito barato e o pode não ser tão seguro assim. De ônibus de linha o esforço é maior, mas se você pensa em economizar seria uma boa opção. E a terceira opção e com certeza a mais procurada é ir com tour guiado, apesar de estar estampado ser um tour pega-turista, a comodidade é maior e foi nossa escolha também. Ao final daremos nossa opinião sobre a excursão.

Por toda Cancun você encontra lugares vendendo tour para Chichén Itzá, em bares e facilmente no seu hotel você consegue agendar o passeio para o próximo dia. Difícil dizer onde comprar pois no fim o tour é quase sempre o mesmo, com grandes chances de você ir ao mesmo ponto de encontro comprando em diferentes lugares. Quando há alguma diferença maior de preço, isso estará relacionado com o conforto do ônibus e o almoço oferecido. Os preços variam na entre 30 a 100 dólares.

Logo cedo, no dia agendado, uma van te busca no hotel e te leva ao shopping Flamingos no centro da zona hoteleira de Cancun. Todos são agrupados em 40-50 pessoas por ônibus. O ônibus tem ar-condicionado (que ajuda muito pois lá é sempre quente), banheiro e é relativamente confortável.

Sacerdote Maia

Após uma meia hora de viagem o guia começa a explicar a cultura Maia, o quão grandioso foi esse povo e quanto isso é importante para região. Se você não fez a lição de casa e não estudou sobre os Maias essa “aula” vai ajudar muito. Continuando o passeio, a primeira parada é em uma comunidade de descendentes Maias. Lá você tem contato com um pouco do artesanato Maia, e até recebe uma benção de um sacerdote. Obviamente que ao final de tudo te levam até a lojinha com souvenires, e de acordo com os guias você deve comprar o que quiser lá para ajudar a comunidade e não dos ambulantes dentro do sitio arqueológico, apesar do menor preço destes. Comissões e opiniões à parte, difícil dizer qual decisão é a melhor.

Após isso o tour segue para o almoço, comida típica estilo buffet à vontade. A comida é simples, para quem é um pouco mais seletivo com alimentação nós não recomendamos esse tipo de refeição. Mas se você consegue conviver com um dia de comida mais simples fique tranquilo que dá para sobreviver. Durante o almoço é exibida uma apresentação com danças típicas, nada muito elaborado, apenas para você se sentir em território mexicano.

Entrada de Chichén Itzá

Chegando em Chichén Itzá, você terá um tempo total de duas horas para explorar o complexo, mas na primeira hora o tour é guiado, vale as breves explicações. A segunda hora acaba sendo um tanto curta, porém com o calor e a escassez de vento acreditamos que não seja recomendado ficar muito mais tempo expostos ao sol.

Nem sempre é fácil tirar uma boa foto da pirâmide

O ponto mais importante de todo o sítio arqueológico é o chamado “El Castillo” ou Pirâmide de Kukulcán. A pirâmide tem 30 metros de altura, sendo 24 metros de degraus e 6 metros de templo. São 365 degraus até o templo, remetendo a cada dia do ano, como no calendário Maia. Esta pirâmide realmente não pode ser escalada, diferente das Pirâmides de Gizé, aqui essa regra é seguida à risca. Seu guia lhe mostrará o som dos pássaros ao bater palmas na frente das escadarias. E provavelmente a engenhosidade mais importante da pirâmide se dá nos equinócios de outono e primavera onde se projeta uma sombra de luz solar em forma da serpente de Kukulcán.

Campo do Jodo de Bola

Outra estrutura para se ver é o campo do jogo de bola. O jogo tradicional da cultura Maia poderia ser para entretenimento ou até sacrifício dos perdedores. Outras atrações que devem ser conferidas são: a Praça das Mil Colunas e Templo dos Guerreiros, o Observatório e por fim o Cenote Sagrado.

Praça das Mil Colunas e Templo dos Guerreiros

Falando em cenote, após as breves duas horas em Chichén Itzá, o passeio segue para um deles. Se você nunca ouviu falar em cenote, basicamente é uma conexão da superfície com uma área alagada subterrânea, simplificando: é uma “cratera” com uma “piscina natural”. O mais famoso deles é o Ik Kil, mas dependendo do seu tour e da lotação de cada um deles você poderá conhecer outro, já que são mais de 100 na península de Yucatan. Se você gosta de mergulhar vai se esbaldar e se refrescar após um dia inteiro de muito calor.

Cenote

Finalizando o dia de passeio, o ônibus passa por Valladolid, uma cidade histórica fundada em 1543. Como o nosso dia já estava “atrasado” por ali só deu tempo de conhecer a igreja e partir em retorno a Cancun. Chegamos no nosso hotel perto das 23 horas, inclusive perdemos a reserva que tínhamos em um dos restaurantes. Antes de sair do ônibus, o guia e motorista solicitam gorjeta, que chega a ser uma tradição na região. Então se prepare e deixe o dinheiro reservado, pois o pedido é um tanto quando incisivo.

Catedral de Valladolid

Realmente Chichén Itzá é uma atração imperdível nessa região e é uma das principais atrações do México, se você vai até Cancun com certeza tem que ir até lá. Se escolher ir com uma “excursão” se prepare para o pior. O Passeio é longo, ficamos 15 horas no total, e dessas quinze umas 8 dentro do ônibus, e apenas duas na atração principal. O que prejudica o passeio são as paradas desnecessárias, contando ainda que em toda parada tem turistas que atrasam. Quem mais é prejudicado é quem é pontual e quer aproveitar o passeio nos pontos principais e não em restaurantes e lojas de souvenires. Com certeza se voltarmos para lá pensaremos em um passeio privado ou alugar um carro.

Muito Calor e nenhum vento

Extras:

– Se você vai com tempo até a península de Yucatan, vale pensar em ficar uma noite em um resort dentro do sítio arqueológico. Você terá mais tempo e conforto para ver região e vai poder aproveitar a diária do Resort. 

2 comentários

  1. Pingback: Angkor –Camboja

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.